Rádio Santa Cruz - FM

PARÁ DE MINAS EM DESTAQUE


Fundo eleitoral: reação de grande parte da sociedade é negativa

17/07/2021

Há 0 comentários para essa notícia.

Highslide JS

É péssima a repercussão do aumento do fundo eleitoral para 2022 no Brasil. Já aprovado pela Câmara dos Deputados e o Senado, o projeto agora só depende de sanção da presidência da república.

O novo fundo vai subir de R$2 bilhões para R$5,7 bilhões e será rateado pelos partidos para custeio das campanhas eleitorais do ano que vem. O rateio leva em consideração as bancadas no Congresso Nacional, quanto maiores mais alta será a cota parte da divisão.

Para se ter ideia do tamanho do fundo eleitoral ele é maior do que o orçamento total de alguns ministérios, caso do Meio Ambiente; Mulher, Família e Direitos Humanos; Turismo e Relações Exteriores.

Além disso, corresponde a mais que todo o recurso previsto para investimento ao longo de 2021 em outras pastas, caso da Agricultura, Defesa, Infraestrutura, Comunicações, Saúde, Ciência e Tecnologia, Infraestrutura e Comunicações.

A votação causou indignação no país diante de tantos problemas graves enfrentados pela população, sobretudo a de baixa renda. E mais ainda porque o financiamento público continuará predominando nas campanhas.

Com esse dinheirão todo à disposição dos partidos a perspectiva é de aumento do número de candidatos porque suporte financeiro não deve faltar. A votação aconteceu em Brasília, mas repercutiu nas Assembleias Legislativas e em Minas Gerais não foi diferente, com a maioria dos deputados também impactados pelo alto valor.

O deputado Inácio Franco falou ao Jornal da Manhã. Indignado com os números ele também frisou que o dinheiro do fundo eleitoral costuma ser usado principalmente pelos presidentes dos partidos:

Deputados do partido Novo tentaram derrubar o aumento dos recursos, mas tiveram o pedido rejeitado pela maioria. 
Até 2015, as grandes empresas, caso dos bancos e empreiteiras, eram as principais responsáveis pelo financiamento das candidaturas. Naquele ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu a doação empresarial sob o argumento de que o poder econômico desequilibra o jogo democrático.

Foto: Arquivo/Pessoal





Veja também



 1 2 3 4 5 6 7 8 Fim




Seja o primeiro a comentar

RECEBA NOVIDADES

Cadastre-se e Receba no seu email as últimas novidades do mundo contábil.

Siga-nos

© Copyright - 2018 - Todos os direitos reservados - Atualizações Rádio Santa Cruz FM. Desenvolvido por:Agência Treis